Após emissão dos pareceres dos Auditores Independentes (KPMG) e do Conselho Fiscal, a prestação de contas de 2015 foi aprovada pelo Conselho Deliberativo, em sua 1ª Reunião Ordinária, sem ressalvas.  O Relatório Anual de Informações, documento que traz essas contas detalhadas, será divulgado até o dia 30 de abril.

De acordo com o relatório apresentado pela Diretoria Executiva, as despesas administrativas ficaram 4% abaixo do valor previsto, o custo por participante 36% menor em relação à média de mercado, e as rentabilidades líquidas fecharam em 11,92% para o Conservador, 11,31% o Moderado e 7,89% o Arrojado.

Várias ações foram tomadas ao longo de 2015 para que se alcançasse esses resultados: as taxas de juros das políticas de empréstimos foram readequadas, investimentos em renda variável foram reduzidos e os investimentos em fundos no exterior foram ampliados.

O Plano de Custeio, referente à taxa de contribuição para os benefícios de risco (morte e invalidez), foi aprovado conforme os resultados da Avaliação Atuarial que apontou pela manutenção da taxa de 0,1195% para o exercício de 2016.