Aconteceu nesta terça-feira (05), em Brasília, na sede do SEBRAE 515 Norte, o II Encontro de Trabalho do 3º ciclo de Planejamento Estratégico do SEBRAE PREVIDÊNCIA. O encontro reuniu 40 pessoas entre a diretoria da Entidade, os membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, os Gestores do Plano SEBRAEPREV, parceiros, fornecedores, Assistidos e Participantes do Plano.

O Planejamento Estratégico representa a trajetória do próprio desenvolvimento institucional do SEBRAE PREVIDÊNCIA. Assim, o encontro teve como objetivo traçar pontos para a continuidade dessa trajetória, tentando responder ao desafio de olhar para o futuro.

Edjair Alves, diretor-presidente do SEBRAE PREVIDÊNCIA, falou sobre os pontos já levantados pela equipe interna da Entidade. “ Começamos com o I Grupo de Trabalho, reunindo os pontos de destaques do ambiente externo e interno. Agora, vamos estender o debate para levantar o maior número possível de insumos para a construção do nosso 3º Planejamento Estratégico. De fato teremos um material mais rico”, disse Edjair.

Os trabalhos do dia foram conduzidos pelo consultor Luiz Roberto Romero. “O nosso grande desafio é pensar lá na frente, é planejar e decidir as ações a serem tomadas. Precisamos de um bom entendimento da situação ao qual estamos inseridos”, disse Romero.

A primeira palestra apresentou o diagnóstico e as tendências da previdência complementar fechada no Brasil e os aspectos atuariais. O responsável pelo tema foi o diretor-presidente da Gama Consultores Associados, Antônio Fernando Gazzoni.

A importância dos fundos de pensão foi comentada por Gazonni. “No âmbito da economia, as entidades de previdência complementar refletem na capitalização de empresas, através dos investimentos no mercado de ações; na formação de postos de trabalhos; na arrecadação de impostos; na manutenção do poder de compra no mercado de consumo, ativando a economia, e na arrecadação de impostos”, disse Antônio Gazzoni.

As tendências do mercado de investimentos foram expostas pelo economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa. De acordo com os pontos apresentados pelo economista, o cenário da economia brasileira aponta atividade em queda e com sinais de forte desaceleração no 2º trimestre. A fragilidade da economia leva o Banco Central a aceitar um pouco mais de inflação em troca de crescimento, o IPCA fica flutuando em torno de 6,5% e o cambio controlado e valorizado até 2015.

À tarde, o presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE PREVIDÊNCIA, José Claudio dos Santos, falou sobre a visão do Patrocinador Fundador. “Todos vocês estão fazendo uma construção conjunta, num modelo que é a forma de atuar do Conselho, sempre com participação de todos. O SEBRAE tem uma perspectiva de crescimento de clientes e o planejamento estratégico do fundo de pensão deve apresentar um olhar permanente para esse crescimento”, concluiu José Claudio.

As perspectivas estratégicas do SEBRAE e de seu mercado de atuação foram detalhadas pela gerente Elizis Faria. Após essa apresentação, o público foi dividido em 6 grupos de estudo para debater sobre o que foi abordado durante o dia todo.

Os grupos levantaram pontos de atenção que serão organizados e submetidos ao Conselho Deliberativo. Dentre os pontos mais citados estão: necessidade de educação financeira e previdenciária, investimento em comunicação, estratégias para tornar o colaborador jovem mais previdente, governança e controle, preparação para a aposentadoria e relacionamento com o participante.

Até dezembro o Planejamento Estratégico 2015-2018 estará finalizado, bem como o seu Plano de Ação que será permanentemente monitorado.